terça-feira, 13 de maio de 2008

Como as outras

Aeroporto de Guarulhos; notebook em uma poltrona, eu em outra. Acabei de assistir em três partes (lixo de bateria) ao ótimo O Informante. Já comprei a nova Piauí, já comi meu Charge e só aguardo a dona voltar a gritar no sistema de som, desta vez chamando o vôo que me interessa (agora são 22h45, o vôo chega às 23h15).

Escrevo rapidamente do aeroporto e amanhã coloco no blog (maldito PC sem wireless). Quase fim de mais uma segunda-feira e de mais uma viagem como todas. No ônibus o de sempre. Ainda assim, rascunhei alguma coisa nas primeiras horas de viagem. Compartilho com vocês:

Primeiro foi o atraso do ônibus, depois a mulher que se espichava em minha poltrona, aí então a mãe pergunta à filha: “está sentindo enjôo?” Segundos depois o ônibus dobra à esquerda e pára na rodoviária de Matelândia, a primeira após Medianeira.

Quando o ônibus parou em Céu Azul (a segunda), pensei “aí tem coisa”. Retomei a minha poltrona e ouvi a mulher, mãe da filha, dizer que o ônibus pararia muitas vezes ao longo da viagem. Isso com um ar de consentimento. Lá na frente, uma criança mais nova chora agudo e, aqui do meu lado, a mulher que antes tomara minha poltrona desaba dizendo “preciso me recuperar da ressaca”, enquanto maliciosamente esfrega o cotovelo em meu braço. Haja.

Escrevo este rascunho em uma página de meu inseparável O mundo sem nós, de Alan Weisman. Tento me concentrar no capítulo sobre os oceanos, mas não consigo. Talvez seja o entra-e-sai das pessoas no banheiro ou o odor do químico da privada que irrita as narinas. Sei que será uma looonga viagem...

Mudo a posição do notebook, ele sentado na poltrona e eu no chão (porcaria de tela – não fica parada e precisa se escorar em algo para ficar aberta). Faltam poucos minutos para a ladainha chamar meu vôo. Dá tempo para outro relato, ainda no ônibus:

Meio de viagem. A menina desandou a falar, uma gracinha, mas precisa de tecla SAP. Criança quando aprende a falar não pára. A mulher baladeira continua se insinuando. Já terminei o livro (ótimo), tentei assistir ao filme O Informante, mas a bateria do notebook arriou, já ouvi todo o Bee Gees do mp3 e devorei a Piauí. Sem sono, não me resta outra coisa a fazer senão escrever.

Meio de viagem. A mulher do lado diz que se escrevesse em ônibus teria mal-estar. Parece que está tentando puxar conversa – há poucos perguntou o que era a luzinha vermelha do mp3. Daqui a pouco paramos em Londrina e eu tomo mais um pingado.

Viagem longa. Deveria ter trazido mais o que ler.

Cheguei em Campinas às 7h30. Acordei ao som da menina que para tudo apontava e perguntava “o que é isso mãe?”. Perdi o mp3. Deixei no ônibus e quando voltei para buscar já não estava mais lá. Quando escrevi os fascículos Método Fácil de Perder Dinheiro, criei um método especial: fazer essas viagens semanais descabidas para Campinas! Tudo bem, as viagens em si geram um baita gasto. Mas eu tenho ajudado.

Agora me dêem licença que vou correr para pegar o vôo. Também não vou ficar dando sorte para o azar.

6 comentários:

laufer disse...

e dá-lhe murilice... sinto pelo mp3

Lielson disse...

Sorte.
do lado do Paraguai aí consegue um MP3 por uns 70 pilas (bem menos que 120).

ah, tem becape dos arquivos dos eu nóte-buque?
sim, pois todos sabemos que o que separa você do ato de perder o bichinho é somente questão de tempo.

abraço!

Jean Carlo disse...

Se souber procurar vcs axam MP3 por 40 ou 50 conto. uahuahuau.
e MP3 dos boms.
O pior q o murilo pagou um preco um pouco alto no PY, putz murilo se tivessemos saida lá da Nave.net e olhado mais em outros lugares teriamos saido no lucro né. putz.

Mas faz parte, aew parabens pelo blog, espero que continue fazendo sucesso!!

Agora vamso combinar, a respeito do Top five, (cara com cheiro de asa em onibus e pra piorar aqueles bêbados que se vc olhar por 1 seg para eles vc terá longaaaassss horas de papo, hehehee, quero dizer, eles terão , pq eu fico olhando pra rudo quanto é lado, menos para eles, deixo eles falando sozinhos uahuh.

vlws Murilo abracos pra ti!!!

ta ai um comentario meu!uahuahua!

jean carlo disse...

desculpe os erros de gramatica, ou, erros de digitacao hehe, fuiz!!

Murilo Alves Pereira disse...

Aliás, como disse meu amigo Luiz, esse MP3 não era para ser meu. Primeiro que eu nunca fui muito chegado em mp3, prefiro deixar os ouvidos livres e os olhos ocupados.

A compra do aparelho também foi no mínimo interessante. Fui ao Paraguai comprar o mp3 para minha mãe e, erstando com o objeto na mão, comprei um para mim também.

Depois fui saber que em uma loja pertinho tinha o mesmo mp3 pela metade do preço. O Paraguai é assim.

Aí, quando cheguei em casa e fui colocar as músicas no mp3, qual não foi a minha surpresa quando vi várias pastas e arquivos.

Tinha a tese de mestrado de um jornalista, no Departamento de Multimeios da Unicamp. Procurei na plataforma lattes e encontrei o e-mail do cara.

Escrevi para ele e ele me respondeu, Disse que de fato o mp3 tinha sido dele, mas ele reclamara que a luzinha não estava funcionando. Devolveu, e o pessoal me vendeu usado.

O Paraguai é assim.

Como o mp3 foi-se cheio de arquivos meus, espero que o espertinho que pegou na cortina do ônibus faça um bom uso.

Murilo Alves Pereira disse...

Em tempo: Lielson, tenho cuidado bem do notebook e por enquanto não aconteceu nada. Por enquanto...