domingo, 22 de abril de 2012

Dia 8: A garganta começa a incomodar

Ciao Bello,

A bela vista de Venezia. Vou sentir saudades [veja o vídeo]

Oitavo dia na Italia (22/02). E eu com a garganta ferrada. Fiquei um dia a mais em Venezia para poder ver a igreja San Marco de perto, mas deixei quieto. Acabei indo para outros lugares com meus amigos americanos. E, no meio da tarde, peguei o trem para Bologna. Estava mal. Minha garganta doía e eu comprei uns chás para ir tomando ao longo do dia. Deu uma melhorada, mas hoje (nono dia) acordei com voz de cantor de musica brega, ou de radialista.


 O quarteto de americanos e nossa última volta por Venezia

No trem, vim conversando com um estudante de medicina de Ferrara. Passei sobre o rio Pó e penso em voltar duas cidades só para pegar a agua do rio. Cheguei aqui em Bologna a noite, meus dois contatos de CouchSurfing tinham falhado. Nao tinha lenço nem documento, quer dizer, isso até tinha, mas nao tinha lugar para ficar. Chovia fino e estava escuro. Andei com as mil malas em busca de hostel. Não existe, cá em Bologna. Acabei passando por três albergues e ficando no terceiro: 40 euros, uma facada, e sem o clima bom de hostel.


Quase que fui a Firenze, mas meu contato de lá nao poderia me receber ontem (22). Vai me receber hoje. Deitei na cama, dormi um par de horas e acordei para, de noite, dar uma volta ao centro. Minha garganta ainda dói e tusso bastante. Quem sabe em casa de família, em Firenze, posso receber um pouco mais de ajuda.

3 comentários:

Aluguer de Carros disse...

Realmente, a sua viagem é num dos sítios mais lindos do planeta. mas viajar com dores não é bom mas mesmo assim tenho a certeza que deve estar a aproveitar e que deve ter muitas histórias para contar.

Murilo Alves Pereira disse...

Eu estava bem ruinzinho. Tinha molhado o pé em Veneza e fiquei mal. Mas com o tempo, sarei hehehe. Continue lendo e obrigado pelos comentários.

Anônimo disse...

Oi, Murilo!

Linda viagem! Adorei os relatos, muito inovador o estilo, já vale a leitura só pelo título! Por favor, continue!

Abraço.
Alessandra.