terça-feira, 29 de abril de 2008

Método Fácil de se Perder Dinheiro II

O segundo fascículo volta um pouco no tempo: a segunda da série de viagens, dia 10/03. Mas ao invés de noite mal dormida ao som de programas esportivos, a história é cheia de aventuras ao estilo Velozes e Furiosos. O veloz fica por conta do Phillip, o furioso por minha.

Diferenças à parte, também no segundo fascículo o prejuízo foi grande. Conto pra vocês.

O método aqui é brincar com o relógio. Fazer hora entre as kits do Solar do Barão III (onde eu morava em meus tempos de Campinas e onda ainda mora uns camaradas) e deixar o tempo passar. Até que chega a hora que, "Phillip, vc me leva para o centro?". Aqui os parênteses são bem-vindos.

(Nas viagens para Campinas, o roteiro básico é o seguinte: viagem de ônibus de 14 horas Medianeira-Campinas / ônibus de 40 min da rodoviária à Barão Geraldo / carona ou táxi ou ônibus de 35 min de BG ao centro de Campinas / Caprioli (ônibus que faz translado) de 1h45 de Campinas a Guarulhos / vôo Tam GRU-IGU de 1h25 / táxi de 20 min Aeroporto Cataratas até o centro de Foz do Iguaçu).

Seguindo a viagem da história, estava naquele momento da carona para pegar a Caprioli. Eram 19h33, o ônibus saía às 20h. Estava meio na cara o que iria acontecer. Mas o Phillip, meu camarada, queria impedir o inevitável: carcou o pé no acelerador e fizemos o trajeto em tempo recorde, mas não o suficiente.

Paramos no último semáforo, um carro branco-tartaruga na nossa frente e alguns metros adiante o Caprioli dando seta para sair. O sinal verde ilumina a avenida Francisco Glicério, mas o infeliz da frente fica comendo mosca. O Caprioli sai diante de nossos olhos.

A perseguição foi digna desses filmes 'B', como o citado no início do post. Gritamos, esperneamos, demos luz alta - o Phillip queria ultrapassar e frear o carro - mas não adiantou. O ônibus seguiu o rumo sem nós. O golpe de misericórdia foi um "Sem Parar" no pedágio. Nós paramos, ele não.

Resultado da fatura: após seguirmos o ônibus por duas cidades fiquei na rodoviária de Vinhedo onde peguei um táxi. O prejuízo na aula de hoje, queridos alunos, foi de 180 reais de táxi!

O resto da viagem foi bastante tranqüila.

2 comentários:

Leandro Pandolfo disse...

Murilo, você é um comédia, cara.
Excelente tuas histórias, vou esperar pelas próximas.
Aquele Top Five de viagens de ônibus é a dura realidade, hahahahaha, sempre rola disso.

Abração, meu querido.

Lielson disse...

permita-me um à-parteclássico do teatro elisabetano:
"Polônio, quando o cara é cabaço..."